Os impactos do coronavírus para o mercado automotivo em 2020

O surto mundial do novo coronavírus está mexendo drasticamente com a vida e a rotina de bilhões de pessoas mundo afora. Em diversas partes do planetas, as autoridades vêm restringindo a circulação de pessoas e sugerindo isolamento social. Nas empresas, as práticas de trabalho à distância (o conhecido home office), a concessão de férias coletivas e o fechamento provisório de diversas empresas – especialmente no ramo comercial – vêm afetando o desempenho econômico de corporações e famílias. Evidentemente, diversos segmentos industriais estão sendo igualmente afetados pela pandemia. No mercado automotivo, igualmente, o cenário desenhado antes do anúncio da pandemia pela Organização Mundial da Saúde já foi sensivelmente alterado.

Por isso, nós preparamos para você um compilado de informações importantes sobre o “antes e depois” do surto de coronavírus, em relação aos projetos e expectativas dos fabricantes e distribuidores de veículos para este ano de 2020. Acompanhe a seguir

 

Como estavam as previsões no começo do ano

Os fabricantes começaram o ano apostando em inovações e na ampliação dos diferenciais de tecnologia embarcada para abocanhar maiores fatias do mercado automotivo de 2020. Entre as inovações previstas estavam:

- Lançamento de modelos mais leves, que buscam mais autonomia e menos cobrança dos motores, ampliando o uso de fibra de carbono para reduzir o peso bruto total dos carros.

- Aprimoramento nos mecanismos de eficiência energética dos chassis, inclusive com a introdução de modelos movidos a biocombustíveis e a ampliação gradativa da oferta e da autonomia de carros elétricos.

- Ampliação dos recursos de conectividade e tecnologia, facilitando a ligação do veículo com telefones celulares e oferecendo conexão direta com a internet a partir do próprio carro.

- Para aprimorar a dirigibilidade, algumas montadoras previam investir também no incremento da tecnologia dos freios automáticos, com novos sensores capazes de  já identificar aproximação de pedestres e outros obstáculos em casos onde não é possível desviar.  

No que se refere às vendas, o cenário era de otimismo. Em comunicado feito ao mercado no começo de fevereiro, a Fiat Crhysler previa 6% de crescimento no mercado de veículos leves novos no Brasil – o que levaria à venda de 2,8 milhões de unidades.

 

Primeiro revés: a decolagem do dólar

Já em meados de fevereiro, quando o dólar era negociado na casa dos R$ 4,30, as montadoras já demonstravam preocupação com um reajuste mais intenso no preço dos carros, por conta da desvalorização do real frente à moeda americana. Afinal, atualmente, perto de 40%  dos componentes de um carro de passeio básico veem do exterior e, portanto, são comercializadas em dólar. Na terceira semana de março, o dólar já batia a marca dos R$ 5,10.

 

A pandemia e a puxada de freio na economia

Com o início do surto do coronavírus na China e a rápida expansão pela Europa, a indústria automotiva global já revisou para baixo todas as previsões. Montadoras como Ferrari, BMW, Ducati, Ford e Nissan interromperam linhas de produção na Europa e nos EUA, seja por falta de componentes, seja por medida de prevenção sanitária. Eventos importantes do setor, como os salões de Genebra, na Suíça, de Pequim, na China, e de Nova York, nos EUA, foram cancelados.

Aqui no Brasil, a Anfavea – associação que reúne as montadoras de veículos – já alertou para o risco de quedas bruscas e interrupções na produção para os próximos meses.

Diante da crise, quem tem condições de trocar de carro pode encontrar boas oportunidades no mercado. Conheça os novos modelos para famílias clicando aqui!

compartilhe:

Outras Dicas e notícias
sobre carros

acompanhe nossas redes sociais
© TgPoli 2019. Todos os direitos reservados